The Riot Club

riot_club_xlg

Depois do final de “A Esperança – Parte 2” fiquei triste por não ver mais Sam Caflin como Finnick Odair nas telonas, por isso fui procurar outros filmes que ele fizesse parte do elenco para assistir. Foi quando me deparei com “The Riot Club”ou “Clube do Motim” como foi traduzido para o português. Imediatamente esse filme me chamou a atenção, tanto pelo elenco, quanto pelo enredo.

A história é sobre o Riot Clube, um grupo da faculdade Oxford , que por tradição deve conter os dez jovens mais ricos, que tenham estudado nas melhores escolas e que “bebam cordialmente na taça da vida”. Milo Richard (Max Irons) é recrutado para o clube e está envolvido com Lauren, uma garota de classe inferior, ele se abstêm de participar de algumas atitudes do grupo, no entanto, quando se é um membro, deve-se seguir suas regras.

riot3

No início do filme os jovens do clube passam a mensagem de serem adolescentes comuns, apenas bebendo e se divertindo, como se fossem uma fraternidade qualquer de faculdade. No entanto, ao decorrer, essa visão muda, pois percebe-se uma enorme ganância por parte deles, pensam que dinheiro pode comprar tudo,  se sentem como “reis” e é como se não existisse limites. Não espera-se que jovens que acabaram de entrar na faculdade, tenham atitudes de adultos e sejam maduros, no entanto, espera-se um pouco de responsabilidade de suas partes, ainda mais por fazerem parte de uma faculdade renomada e conhecida por conter gênios como alunos.

O enredo te conduz para a cena principal, é como se ele te preparasse. Quando finalmente a cena chega, ela demora bastante para acabar e dá a sensação que o filme todo se passou ali, através da intensidade despendida nela. Nessa cena tive o choque de ver Sam Caflin de uma forma diferente, ao interpretar Alistair conseguiu me deixar com nojo da personagem, por sua petulância, de achar ser melhor que outras pessoas e por suas atitudes. Os acontecimentos do filme vão acontecendo em um ritmo lento, sem atropelamentos, te envolvendo na trama e lhe deixando cada vez mais tenso com o rumo que está levando.

riot-club-1-tatler-18aug14_pr_b

O elenco é extraordinário, além de Sam Caflin e Max Irons, contém Douglas Booth e Olly Alexander, entre outros nomes. A fotografia não deixou a desejar, é como se complementasse o suspense e a trama. O final pode deixar alguns revoltados, outros já irão gostar. Eu gostei, pois foi além das minhas expectativas e me surpreendeu, mesmo que eu não concorde com a atitude tomada, e para finalizar, o filme termina ao som do hino da Inglaterra, o que foi totalmente apropriado.

Youtube // Facebook // Instagram // Twitter 

Beijos

le assinatura certa

 

Anúncios

2 comentários sobre “The Riot Club

  1. Não vou mentir, só “entrei” no post por causa do Sam Caflin (também ainda não superei a morte do Finnick T-T) mas The Riot Club realmente chamou a minha atenção *—-* Espero poder ver em breve 😉
    Bjs, Juh.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s